sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Caldas Novas

É um dos passeios que mais aprecio. Quando fui a essa cidade pela primeira vez, nos anos 1970, foi uma surpresa agradável entrar na piscina e confirmar que a temperatura da água é mesmo quente, geralmente bem acima de 30 graus. Ali, a 290 km de Brasília, vivem aproximadamente setenta  mil pessoas na cidade, onde foram descobertas fontes de água quente no início do século XVIII. Descobriu-se também que essas águas têm valor terapêutico, e, um século mais tarde, foi chamado um médico do Rio de Janeiro para examinar os efeitos curativos da água. A cidade vive hoje de turismo e na alta estação chega a abrigar quinhentas mil pessoas. A praça central, onde fica a igreja católica matriz da cidade, está praticamente desaparecida. Ao lado dela, onde havia antigamente o ponto inicial de um trenzinho turístico, grandes toldos abrigam a clientela de uma rua onde muitos restaurantes e bares compõem um point jovem nos feriados prolongados.  
É possível hospedar-se em pequenos hotéis e visitar piscinas em clubes ou hotéis maiores, em pousadas, em grandes hotéis com um complexo de piscinas, e atualmente há enormes condomínios que alugam apartamentos mobiliados, oferecendo também um conjunto aquático no próprio condomínio. Creio que  já experimentei todas essas modalidades de hospedagem e ultimamente aderi a esta última opção, por me parecer mais econômica. Um ótimo passeio que se pode fazer próximo a Caldas é à cidade do Rio Quente, onde fica um parque temático chamado Hot Park, que conta atualmente com uma praia artificial, com grande piscina de ondas, simulando uma praia marítima - a Praia do Cerrado. É inesquecível mesmo esse passeio. Principalmente as crianças apreciam as brincadeiras em escorregadores aquáticos imensos - os toboáguas. 
Creio que as pessoas, na sua maioria, hoje, ao visitar Caldas Novas, não buscam mais o efeito curativo de suas águas e valorizam sim o lazer que elas podem proporcionar, mas a cidade nasceu em torno das águas quentes curativas, que, conforme lemos na wikipédia, chegaram a curar de reumatismo e paralisia um governador de Goiás no século XIX.
A cura através das águas existe há muito tempo e há em vários centros tratamentos hidroterápicos, que devem naturalmente serem acompanhados por um médico especialista.
A cidade conta também com um ótimo parque ecológico, onde é possível fazer belas caminhadas.
Uma das mais novas atrações é um clube à beira da lagoa que banha a cidade, onde é possível fazer passeios de barco.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

De novo em Brasília

Em 1974, eu trabalhava em Porto Alegre, numa empresa pública, quando minha atenção foi chamada para uma norma de serviço interna. A empresa convocava empregados de todo o país que quisessem trabalhar em Brasília. Aqueles que se apresentassem receberiam ajuda de custo e outras vantagens, como residência funcional. Eu era jovem e meu esposo também. Tínhamos dois filhinhos pequenos. Mesmo assim decidimos mudar-nos. Essa foi minha primeira viagem de avião, conhecemos uma cidade nova, uma região nova e tivemos de nos adaptar a essa realidade. Fomos residir no Plano Piloto, onde ficavam os apartamentos funcionais.
Depois de quatro anos, pensamos em adquirir uma casa e, como eram muito caras as residências no Plano Piloto, adquirimos uma casa fora do Plano Piloto, num setor denominado Guará. De lá nos mudamos mais tarde para uma chácara nas proximidades do Gama e agora estamos residindo na área urbana do Gama, por ser mais fácil o acesso para as atividades escolares do Lucas. Quando me mudei do Plano Piloto, na época, foi como me mudar de Brasília e ir morar numa outra cidade. As outras cidades do DF eram denominadas cidades-satélites. Originalmente as pessoas que construíram a cidade deveriam ter voltado para seu estado de origem, porém permaneceram no DF e então o local destinado a suas residências foi chamado de cidade-satélite. Essas "cidades" ganharam vida própria, com comércio, escolas, hospitais, indústrias, mas continuaram sendo cidades-satélites e depois, como essa denominação é depreciativa, passaram a ser denominadas cidades ou regiões administrativas. Não há possibilidade de criação de novos municípios no DF.
Eis que, na semana passada, recebi uma correspondência dos Correios, determinando que as regiões de Brasília sejam consideradas como bairros nos endereços. Então, estamos de volta a Brasília, morando no bairro do Gama.
Queridos leitores, na realidade pouco importa onde moramos ou sua classificação como bairro, cidade ou região administrativa, desde que tenhamos o mínimo necessário para viver saudavelmente. Mas lembrei de Adão e Eva, que moravam no Éden, um pedaço do céu, com visitas diárias do próprio Deus. Dali saíram expulsos e passaram a andar em outras regiões da terra. Hoje nós, seus descendentes, somos "estrangeiros e peregrinos" mas sabemos que nosso lar é o lar celestial. Não importa o lugar, nesta terra, onde moramos. O importante é que, através de Cristo, seguindo o Caminho, podemos viver aqui onde estamos, a antecipação do Reino dos Céus e sabemos que somos cidadãos do Reino dos Céus. Um dia, o Senhor virá nos buscar e então estaremos de volta na sua presença, podendo desfrutar da vida eterna. Estaremos então de volta ao Lar.

                                                            Visita ao memorial JK

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Páginas novas

Estive explorando a possibilidade de criar páginas autônomas dentro do blog. Primeiro observei um outro provedor de blogs que oferece essa condição. Fiz isso quando uma espécie de diário privado que eu tinha no windows live foi migrado para o word press. Na realidade só costumava postar lá comentários sobre férias e aniversários, com as respectivas fotos. Já devem ter observado que aprecio muito fotos. Mas efetuei a migração e passei a postar também alguns artigos daqui no outro blog, que tornei público (http://celsil1950.wordpress.com) .
Foi então que passei a observar blogs daquele provedor e vi que lá é possível manter no mesmo blog alguns títulos autônomos. Localizei então essa possibilidade aqui no blogspot e já editei duas páginas. Uma delas é sobre minha igreja e coloquei lá alguns links de artigos sobre programações realizadas na igreja. Outra página é sobre minha cidade, Porto Alegre e tem algumas informações sobre ela. A terceira é sobre Brasília, onde resido desde 1974.
Podem dar uma olhada, se desejarem. Localizam-se nos gadgets, à direita.
Bom dia, amigos.
Porto Alegre, vista das margens do lago Guaíba

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Recordações de um sábado

Em dezembro, meu cunhado me mandou um email: gostaria de visitar nossa região, mas a família só disporia de uma semana para nos visitar, queria sugestões de o que fazer nessa semana, lembrando que tinham como meta visitar Brasília e todos os familiares aqui residentes e que queriam uma programação para o sábado.



Essa última exigência de meu cunhado para o roteiro se explica porque somos todos adventistas do sétimo dia e reservamos o sábado para adorar a Deus, o que inclui ir à igreja e meditar na sua Palavra, visitar lugares que nos lembrem de sua grandeza como Criador, recrear-se em conversações agradáveis.


Programei um sábado em Caldas Novas, pois estaríamos visitando aquela cidade nesse dia. Assim, pela manhã, estivemos na igreja, onde estudamos a Palavra de Deus e O louvamos.


À tarde previ, e nós realizamos, uma visita a um Parque Ecológico. Havia duas caminhadas possíveis. Achamos mais interessante a visita ao Paredão, onde havia menos pessoas. Fomos até questionados por uma jovem visitante, que queria saber como conhecíamos aquele passeio, geralmente só realizado pelos próprios habitantes da cidade e seus familiares.


Foi um ótimo passeio. Foram-nos oferecidos bastões para nos apoiarmos, e fomos seguindo a trilha. Num determinado ponto, podíamos ver a cidade ao longe, com seus prédios mais altos. Continuamos e chegamos a um riacho. Subindo 40 metros chegamos a uma cachoeira, que observamos por algum tempo. Depois descemos e nos sentamos em algumas pedras junto ao riacho para ouvirmos a leitura de um livro autobiográfico da autora Fernanda Lima, que sofreu um acidente e ficou paraplégica. Foi lido o primeiro capítulo, que é um tanto longo e ficamos curiosos pelo final.


Mais tarde, na hora do por-do-sol, quando nos reunimos no apartamento em que minha família estava, foi lido o segundo capítulo.


Devo agora comprar o livro para continuar a conhecer a história.


Assim transcorreu esse dia abençoado e nos desejamos reciprocamente uma feliz semana, após uma oração compartilhada.


Tenham os leitores também um bom sábado e uma boa semana.